domingo, 21 de abril de 2013


Sozinho, sentado numa pedra, junto ao mar, numa noite de sábado contemplo a Baía de Guanabara e seus abismos misteriosos cobertos pelo manto do orvalho, da água, dos enigmas. Preferi não ir ao cinema, a um show e sair com os amigos. Necessidade de contemplação.

Perto de mim, um pequeno grupo pesca. Caniço e molinete. Falam de Deus, de fé. Um deles se diz ateu, o outro agnóstico, o terceiro fica calado cortando iscas e amarrando anzóis enquanto o quarto tenta remover as convicções dos dois primeiros.

Senti vontade de chegar para esse último e dizer "rapá, ter fé em Deus é um sentimento que está acima da lógica, da razão, da complexidade imbecil das atrocidades terrenas. Não ter fé em Deus é um direito, por mais que esse movimento nos deixe incomodados. Rapá, deixa pra lá".

Não fosse a fé em Deus, que acalma meu sono até quando bate o desespero (atire o primeiro Valium quem nunca foi atropelado pela sensação de desespero no meio da noite/dia) não estaria escrevendo.

Parodiando Raul Seixas, que entrevistei mais de dez vezes mas nunca consegui conhecer, Deus para mim é o princípio, o fim e o meio e nada, absolutamente nada, vai conseguir arrancar esse sentimento de minhas vísceras, diariamente realimentadas e restauradas pela fé.

Em outras palavras, resumindo a ópera, fé em Deus é o sentimento mais pessoal (intransferível?) que conheço. O resto é o resto.

Ouça:



Parvardigar

Pete Townshend

O Parvardigar, the Preserver and Protector of all
Without beginning are you Lord without end
Non-dual , beyond compare, and none can measure You
Without color, expression, or form, nor attributes to live
You are unlimited and unfathomable
Imperishable beyond conception by our minds
Nothing can devied you ,oh God you are eternal
None can see you but with eyes divine
You always were, You always are, and always will be
You are everywhere, in everything and beyond
In the firmament above and in the deep
On all the seven planes and farther on
And in all that's hidden to our eyes and always see
Beyond the trinity of words and in the vow
You can not be perceived or no one shall repent
O Parvardigar preserve protect us all
Without beginning are you Lord without end
You always were, You always are, and always will be
You are the Creator, the Lord of Lords
The knower of all minds and hearts
Omnipotent, omnipresent, from you we cower
You are Knowledge, Infinite Bliss, Infinite Power
You are the ocean of knowledge knowing all
Infinitely knowing, but can but tell
The knower of the past, the present and future
Crowning even this, your knowledge it's self
Oh merciful benevolent eternal
Your the trinity of Knowledge, Truth and Bliss
You are the scorce of Truth, The One with infinite attributes
You are the ocean of love we sorely miss
You always were, You always are, and always will be
You are the Ancient One, the Highest of the High
You are Prabhu and Parameshwar
You are the Beyond God, Beyond-Beyond God also
Parabrahma; Paramatma and Allah
Yezdan; Ahuramazda and God the Beloved
O Parvardigar, the Preserver and Protector of all
Without beginning are you Lord without end
You are named Ezad, the only one worthy of worship
We sing the universal prayer to you Amen