sexta-feira, 21 de junho de 2013

Provocadores, boateiros, Estado e governo

Leio no UOL que a Fifa está ameaçando cancelar a Copa das Confederações. Motivo: arruaceiros a serviço não se sabe de quem ou do que, coagiram membros da Federação em Salvador, ontem a noite, atirando bombas nos hotéis onde estão hospedados e promovendo quebra-quebra. Futebol é o de menos. O que pesa é o dano político de um cancelamento desses.

Mais uma vez o que assistimos ontem a tarde/noite foi a ação dos provocadores e abutres, que estão presentes em todos os momentos das tragédias políticas do Brasil. Um país que teve cabo Anselmo e outros traíras que acabaram jogando o Brasil no fosso.

A tentativa de invasão do Itamaraty foi muitíssimo grave. Como também foi o nítido desprezo da polícia em entrar naquele espelho d´água e retirar os provocadores de lá. Deixaram rolar como se fossem cúmplices dos abutres.

Esses provocadores, arruaceiros, abutres e similares deveriam ser presos e dizer para quem (ou o que) estão servindo. Mas, ao que me parece, a polícia prende e solta como se já soubesse quem são os mentores intelectuais dos bandidos, quem sabe parceiros de ideologia.

A polícia não gosta de democracia. No Facebook começo a ler, preocupado, pessoas clamando pela volta da ditadura, como se sangue e lágrimas fossem resolver a questão. Confundem Estado com governo. Nossa crise é de governo e não de Estado e, por isso, sugiro a quem tem dúvidas sobre as cruciais diferenças entre um e outro que recorra ao Google.


Estou preocupado com esse desprezo da polícia em apurar quem está por trás dos arruaceiros. Estou preocupado porque nessas horas quem acaba dançando é a democracia.