domingo, 27 de outubro de 2013

Deu no UOL: Após barrar livro, Roberto Carlos diz ser favorável a biografia sem autorização

                           
                                                      



Pois é, meu amigo, tem gente que deve estar arrancando a mata atlântica com alicate. Em entrevista a colega Renata Vasconcellos, do Fantástico, Roberto Carlos disse que autorizar biografia é uma questão de “vamos conversar”.

Até “Roberto Carlos em Detalhes”, do jornalista Paulo Cesar de Araújo, cassada pelo rei e incinerada em 2006, pode entrar na tal “conversa”. 

Ou seja, caso Roberto Carlos e o autor entrem num acordo, o livro pode retornar. Claro, caso aconteça a conversa do jornalista com o rei alguns pontos do livro deverão ser suprimidos. Se Araújo concordar, quem sabe o livro banido vira best seller de Natal?

Matéria do UOL:

Roberto Carlos falou pela primeira vez sobre a polêmica das biografias não autorizadas e demonstrou uma postura mais flexível sobre o assunto ao dizer que é a favor do projeto de lei que pede a modificação do artigo 20 do Código Civil.

 "Eu sou a favor", disse Roberto em entrevista ao "Fantástico", ao ser questionado sobre o projeto que deve ser votado em breve pela Câmara e o pelo Senado. "Há algum tempo, para você proteger o direito à privacidade, a única maneira era impedir a publicação de uma biografia não autorizada", disse .

O artigo 20 prevê autorização prévia para a divulgação de imagens, escritos e informações biográficas e possibilitou que Roberto Carlos proibisse a comercialização de sua biografia não autorizada, "Roberto Carlos em Detalhes", lançada pelo jornalista Paulo César de Araújo, em 1997.

Além de sinalizar mudança de opinião, Roberto comentou pela primeira vez sobre o acidente que sofreu e que o fez perde parte da perna. A história, ele garante, estará em sua autobiografia, em produção. "Eu estou fazendo minha história. E informando muito melhor", afirmou. "Eu vou contar tudo que eu vejo sentido em contar. Quando eu escrever meu livro, vou contar sobre meu acidente. Ninguém pode contar melhor sobre esse episódio do que eu. Isso aí só eu sei".

Com a entrevista, Roberto parece se distanciar de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Chico Buarque e Djavan, que fazem parte do grupo Procure Saber. Liderado pela empresária Paula Lavigne, o grupo defende a autorização prévia e até mesmo a participação nos lucros de vendas.


Os biógrafos afirmam que informações erradas e injustas devam ser questionadas juridicamente, mas defendem que o Código atual atenta à liberdade de expressão.