terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Compras: como se livrar das roubadas na internet

Fazer compras pela internet exige uma radical mudança de comportamento. Quando optamos por comprar alguma coisa online temos que ter certeza de que não estamos movidos pela curiosidade e muito menos pelo consumismo.

A internet pode ser uma roubada para os afoitos, os que se metem de pato a ganso, acham que conhecem tecnologia e fim de papo. Esses são as vítimas preferenciais dos caloteiros e similares que infestam também a rede. Afinal, da mesma forma que existem honestos on e offline com os picaretas é a mesma coisa.

Para os iniciantes, tentar o risco zero é o melhor caminho. Procurar lojas que já tem nome, tradição é a trilha mais saudável, mas mesmo para esses supostos templos da honestidade, vale uma ida ao site www.reclameaqui.com.br .

Muito simples. Você entra, digita o nome da loja e vão aparecer todas as reclamações de outros consumidores do país todo. As vezes, lojas consagradas no “mundo físico” falham, e muito, quando resolvem vender pela internet.

O portal Mercado Livre foi criado anos atrás inspirado no norte-americano Ebay. No Mercado Livre estão vendedores de lojas e também os que trabalham como autônomos, o que torna a compra mais difícil. O site disponibiliza uma tabela de qualificação. Você clica e vê o que as outras pessoas escreveram do vendedor, mas em muitos casos não há qualificação alguma.

Nesse caso, vale a segunda opção que é clicar em transações já feitas. Se a pessoa já concretizou mais de 80% das transações tudo bem, mas abaixo disso, pule fora. Roubada.

Aliás, não recomendo o Mercado Livre para iniciantes porque é uma pista de pouso para gente honesta, mas também para caloteiros. Eu mesmo já levei uma rasteira de um sujeito lá. Da mesma forma suspeite sempre de produtos muito baratas. Por exemplo, um site que oferece por R$ 99,00 um relógio que custa R$ 800,00 ou mesmo R$ 400,00 só pode ser: 1 – relógio falsificado; 2 – calote.

O Mercado Livre, a empresa em si, não é perigoso. Dão até um bom suporte para os consumidores. O problema são os cafajestes que se infiltram lá burlando as regras.

Fundamental: todo mundo já sabe, mas é bom surrar as teclas lembrando que jamais, em tempo algum, devemos comprar, acessar bancos, enfim, se meter em qualquer lugar que envolva nossa privacidade usando computadores que não sejam nossos. Em Lan Houses? Sob hipótese alguma.

Mais: mesmo os nossos computadores devem estar munidos de ferramentas de defesa que podem evitar uma roubada. Vamos a elas: 1 – No caso do Windows, use apenas o autêntico. Jamais uma cópia pirata; 2 – Na minha opinião (e de vários especialistas), o melhor antivírus e antispyware (aplicativos do mal que invadem contas bancárias e cartões de crédito) é o Microsoft Security Essentials.

Para baixar esse antivírus (gratuito para que usa Windows original) basta clicar neste link: http://windows.microsoft.com/pt-br/windows/security-essentials-download .


Cautela, muita cautela, boas referências e uma ótima tecnologia de defesa garantem compras seguras na Web, onde a pressa é um milhão de vezes mais inimiga da perfeição do que na vida real.