domingo, 12 de janeiro de 2014

O encontro de Arthur Maia com Jaco Pastorius em Nova Iorque

Jaco.

Arthur

Texto restaurado e remixado

É muito bom ser fã de amigos. Um deles é Arthur Maia, um dos melhores baixistas do mundo, que encontrei há tempos no Teatro Municipal de Niterói durante o surpreendente (para mim) show de Mart'nália. O show, chamado “Em África”, que com certeza, Paul Simon adoraria assistir ao espetáculo do pulso, da percussão, da comoção, de tudo o que a África representa para a Música.

Uma vez, escrevi no Estadão que se não fosse a África a música popular não existiria. Lá nasceu o ritmo, a batida, a alma. Alguns leitores reagiram, disseram que não e eu sugeri que assistissem ao documentário “The Rhythmatist” (1985), de J.P. Dutilleux e Jean-Pierre Dutilleux, estrelado pelo 
ex-baterista do Police Stewart Copeland.

Ele viaja pela África em busca da origem do ritmo. Participa de cerimônias em tribos isoladas sempre sob o manto da percussão e fez uma experiência fantástica. Montou uma bateria Tama completa dentro de uma jaula. Copeland entrou e essa jaula foi colocada numa savana infestada de leões, que tentavam devorá-lo enquanto ele tocava. Queria passar (e passou) para a bateria todo aquele sentimento de primitivo terror.

Bom, esse é o poder da percussão. Arthur Maia subiu no palco deu uma canja no final do show de Mart'nália, para um Teatro Municipal de Niterói super-lotado, de pé, em histeria total. Antes, eu disse “Arthur, vou contar em meu blog aquela sua experiência com Jaco Pastorius”. Ele disse que tudo bem, e, por isso, aqui vai.

Jaco foi um dos mais importantes baixistas da chamada música fusion, também conhecida como jazz-rock. Foi do Weather Report, grupo que reluz em minha estante de discos, mas tinha problemas sérios com álcool e drogas. Batizado de John Francis Anthony Pastorius III, nasceu nos Estados Unidos e sua morte é até hoje um lamento, como narra o portal Wikipédia:

“O trágico fim de John Francis Anthony Pastorius III inicia-se em 11 de Setembro de 1987. Após um show de Carlos Santana, se dirige ao Midnight Bottle Club, em Wilton Manors, Florida. Provocou e acabaou brigando com o gerente do clube, chamado Luc Havan. Como resultado da briga, sofre traumatismo craniano e entra em coma por dez dias. Depois que os aparelhos foram retirados, seu coração ainda bateu por três horas. A morte do mais ilustre contrabaixista de todos os tempos data de 21 de setembro de 1987, aos 36 anos e dez semanas. Foi enterrado no cemitério Queen of Heaven, em North Lauderdale.

“Uma das maiores homenagens prestadas a ele, foi registrada pelo lendário trompetista Miles Davis, que gravou a música Mr. Pastorius, composição do baixista Marcus Miller, lançada no álbum Amandla.”

Jaco era o herói de Arthur Maia, que no começo deste mesmo 1987 foi a Nova Iorque a trabalho. Através de um percussionista amigo, soube que Pastorius costumava jogar basquete numa quadra pública no Bronx. Arthur foi lá.

Um, dois, seis dias, nada de Jaco. Até que, quase desistindo, num fim de tarde viu um baixo Fender Jazz Bass ano 62 (esse da foto) largado sem estojo em cima de um banco. Arthur gelou. Olhou para a quadra e lá estava Jaco Pastorius jogando basquete com um grupo local.

Arthur, aflito diante de seu ídolo maior, não sabia o que fazer. O jogo acabou, o percussionista apresentou os dois e Arthur disse que queria ter uma aula com ele. Jaco disse “tudo bem, é só me pagar 50 dólares adiantado”. Arthur deu o dinheiro e marcaram a aula para o dia seguinte. Jaco sumiu. Nunca mais. Arthur só soube dele quando morreu. Mas ainda assim, sempre comovido, me disse “eu vi o cara, cumprimentei, ouvi sua voz, vi seu baixo todo lanhado...claro que  valeram os 50 dólares”.

Não foi à toa que uma vez escrevi (não lembro onde) que Arthur Maia deu sequência ao estilo de contrabaixo inventado por Jaco Pastorius. E essa história caberia muito bem numa autobiografia que Arthur Maia precisa escrever contando tudo o que viveu e vive entre as maiores estrelas da música mundial. A platéia agradece e aplaude por antecipação.