segunda-feira, 28 de abril de 2014

Enfim, ação. Por Antonio José Barbosa da Silva, Presidente da OAB de Niterói

Hoje quem sai  às ruas  em Niterói  já sai dizendo "que Deus me proteja". A razão dessa demonstração de fé é simples. A população está se sentindo completamente insegura diante do aumento da criminalidade. A bandidagem não respeita nem mais o trabalhador que ganha  salário mínimo. Parece que está matando cachorro a grito e adota aquele ditado: o que cair na rede é peixe. 
Assaltos e assassinatos já estão se tornando uma triste rotina, desde que começou o cerco aos criminosos pela polícia carioca. A migração de marginais para cá foi crescendo na medida em que  o combate aos marginais se intensificava na  Capital do Estado e ocorria a  redução de PMs na cidade  para atender à demanda do lado de lá.
 A OAB de Niterói vem pedindo providências no combate aos  marginais e  um aumento efetivo e duradouro. Nada de vapt vupt. Mas parece que, agora, o grito de SOS da entidade e da sociedade civil ultrapassou a baia e chegou aos ouvidos do governo estadual, que só estava cuidando da cidade do Rio e deixando ao deus-dará o lado de cá, que já foi capital do Estado.
 O reforço policial chegou e começou a percorrer a cidade e as comunidades em busca de traficantes, assaltantes e outros tipos de criminosos de todas as idades.
  A coisa ficou  feia,  porque a reação para combater os marginais demorou  muito.
 Apesar dessa caça  aos bandidos, a população ainda  está desconfiada, por achar que a ação policial seja passageira e iniciada para dar satisfação ao clamor público diante das eleições que se aproximam. Mas, mesmo assim, teme  que com os jogos da copa  o policiamento daqui seja deslocado para o Rio tornando Niterói novamente o prato preferido dos   bandidos.  Por enquanto, está igual a São Thomé: ver para crer. O tempo dirá com quem  está a razão.
 O combate à criminalidade tem de ser permanente e o aumento do efetivo policial também. O governo tem de abrir concurso para aumentar o número de PMs, já que eles não são elásticos que estica para lá estica para cá a fim de atender aos pedidos de socorro. Todos sabem que o efetivo de policiais está pra lá de  carente. Ao lado de admissão, não pode esquecer a obrigação  de garantir  melhores salários,  condições de trabalho e de ampliar o serviço de inteligência para dar o bote certo nos bandidos, reduzindo, assim,  os efeitos colaterais.
 Qualquer cidadão bem intencionado sabe que há necessidade do fortalecimento das Polícias Militar, Civil e Federal, além das Forças Armadas, da Justiça e o Ministério Público, porque são as únicas instituições que podem garantir a paz, a ordem e os direitos do cidadão. Enfraquecê-las certamente   resultará no fortalecimento dos fora da lei de todas as matizes  sociais e numa paulada na democracia.
 Espera-se que o governo mantenha o policiamento ostensivo e encerre em definitivo o fogo de palha que imperou até agora, única maneira de permitir que a população de Niterói possa ver esse prato diariamente nos cardápios, mesmo no  daqueles  que são contra por razões ideológicas ou políticas.
  Mãos à obra e que Deus proteja Niterói  e a transforme novamente na Cidade Sorriso, tão decantada em prosa e verso.
 Antonio José Barbosa da Silva, presidente da OAB de Niterói