quinta-feira, 22 de maio de 2014

Manual do Orgasmo

Ficção extraída de meu livro “Torpedos de Itaipu”, editora Artware, 1995

Parecia filme italiano. Eu estava numa livraria dando um tempo. Chovia pra cacete lá fora e o trânsito lembrava um enorme jacaré bêbado. Livraria vazia. Entra um casal. Ele calmo, jeitão de economista do Banco Central, óculos com lentes fundo de garrafa, meio mal humorado. Ela, agitada, colorida, enfiada numa malha rosa arrochada; mulher grande, brincalhona, muito, mas muito gostosa.

O aguaceiro engordou na rua. Não gosto de andar na chuva porque toda hora enfiam um umbrella na minha cara. Umbrella é guarda-chuva em inglês...só pra contrariar. Brasileiro, apesar de tropical, convive muito mal com as tempestades.

Voltando ao casal, ia tudo muito bem até ela pedir um livro, subindo o tom da voz. “O senhor tem o Manual do Orgasmo?”. Até eu fiquei sem saber o que fazer. Quem estava embrulhando parou de embrulhar, quem estava empilhando livros parou de empilhar e eu que estava lendo orelhas parei de olhar. Como todos prevíamos, o tal homem sereno virou um mamute enfurecido.

Completamente verde de ódio o sujeito levou a mulher para um canto e, tentando falar baixo, vociferou: “Precisava me humilhar? Vamos embora! Chega! Eu não aguento mais!”. E saíram no toró mesmo, soltando faíscas.
Não precisava ser desta forma. Muito se fala em alma feminina, nos cuidados que temos que ter com a mulher, com os desejos da mulher, com a liberdade da mulher, com a sensibilidade da mulher. Mas que fim levou a alma masculina?

Uma mulher que entra numa livraria com o marido e pede, vociferando, o “Manual do Orgasmo” está querendo barraco. Ou então pedindo. Alguém dirá “quem sabe, era meio burrinha”. Não! Não existe mulher burra. Se aquele mulheraço estivesse a fim de comprar o tal manual para usufruir teria ido sozinha, ou com amigas, irmãs, com o cachorro, tudo, menos com o marido. Uma sutil (???) maneira de dizer “benzinho, você está precisando afogar melhor o seu gansinho”. E o tal livro (acabei dando uma olhada) parece manual de funcionamento de freezer. A tomada é aqui, você liga ali, tem um botãozinho que faz isso, uma carrapeta que faz aquilo. Pior: sem garantia, sem Procon.

Voltando ao drama da alma masculina, por mais que as revoluções sociais, conceituais e etc e tal ensinem, o homem precisa ser enganado. Precisa achar que é o princípio, meio e fim de uma mulher. Precisa ser herói, único, indispensável, insubstituível, eterno. O homem sabe que é mentira, mas essa mentira é sua fonte de sobrevivência. Em outras palavras, o homem é um imbecil. Numa boa, sem ofensas. Ah, mas as coisas mudaram, dirão alguns. 

Mudaram coisa nenhuma. O homem ainda é o mesmo primata das cavernas, macho, guerreiro, predador de lobos. E pobre da mulher que cair no conto da evolução.

Um dos maiores confrontos do homem é o mistério que ronda o orgasmo da mulher. Está provado que a maioria dos homens vai para a cama muito mais interessada em fazer um belo workshop do que em sentir prazer. Cama é uma espécie de showroom. Um leitor, certa vez, confidenciou num bar na avenida Amaral Peixoto: “ Olha, não existe nada mais importante do que uma mulher derrubada, com aquela cara de bagaço, esgotada. É quando me sinto Hércules, Sansão, Homem Aranha”. Pergunto sobre a sua satisfação pessoal. 
O cara ri, bate com o copo de Genebra na mesa e arremessa: “Prazer eu sinto com um cacho que tenho lá na subida da Caixa D´água.”

O homem é um golfinho sexual. Vai para a cama para ser aplaudido de pé, ou de joelhos. Condenada estará a mulher que, estonteada pela hipnose liberalista que de vez em quando bate em alguns, confessa que ele é mais um. Ele sabe. Todos sabem. Mas o homem que ser o único, the best, o único, The Beatles naquele palco. Dentro dessa conjuntura imagine o que o tal sujeito da livraria sentiu quando a mulher, ao pedir o Manual do Orgasmo, declarou publicamente que seu macho falha, pifa, dá tilt, é mosca de padaria.

Um conhecido meu separou-se da mulher há uns dois anos. Vivia reclamando que a vida estava ruim, que não a amava mais, etc. Conversaram, muita choradeira e ponto final. Três meses após a separação ele me contou que tinha dormido na casa dela. “Saudade é fogo”, comentei. Mas ele rebateu: “Saudade nada. Soube que ela já estava saindo com outro sujeito, me bateu paranoia e eu fui lá. Conseguir melar tudo”.

O pior é que, até hoje, quando a ex-mulher começa a roçar em outro ele vai lá e crau! Só para não perder o lugar que ele mesmo não quis. E ainda diz que ´ex-mulher não existe`. Alma masculina é chumbo grosso.

Homem liberam só existe em anúncios de uísque. Nós, machos, seres rudimentares e inferiores, nascemos com várias escrituras imaginárias na cabeça, e apesar da psicanálise, da cromoterapia, da neurolinguística, dos florais de Bach, da homeopatia, enfim, de toda a modernidade ainda somos os mesmos... e (por que não?) vivemos como nossos pais, como cantou Belchior nos anos 1970.

Haverá cura para o homem na sociedade contemporânea? Vai chegar o dia em que ele conseguirá viver sem honra ou mérito, ou sem honra, ou sem mérito? Será que um dia a mulher poderá comprar o Manual dos Orgasmo o lado do marido como se estivesse comprando alpiste para o canário? Viveremos momentos onde ex-mulheres imediatas (segundo a literatura, a mulher se livra definitivamente de um homem num prazo que corresponde a 20% ao da convivência. Exemplo: conviveu 20 anos levará quatro para se livrar) poderão namorar livremente por aí? Não. Porque o maior drama do homem não é viver sem mulher, e sim viver sem urras, elogios e “obrigado meu amo”.