domingo, 18 de maio de 2014

Praia de Itaipu: saudade do futuro

Para quem reproduz este blog em outros lugares

Amigos alertam que vários textos publicados aqui no blog estão reproduzidos em outros na web. Dei um Google e comprovei. No entanto, todos citaram meu nome e este blog como fonte, o que deixa a questão no zero a zero. Não me importo quando republicam o que escrevo em outros lugares, desde que citem a fonte.

Hoje, pesquei um pequeno texto abaixo sobre a “minha” ex-praia, Itaipu, que poderá a voltar a ser linda, daí o título “Saudade do futuro”.

                      Saudade do futuro

Transformada em favela a beira mar, a praia de Itaipu ia receber um choque urbanístico de primeira linha. Até o museu de arqueologia seria ser restaurado. Quem viu o projeto de salvação de Itaipu garante que está para lá de deslumbrante, mas a pergunta que não sossega é por que a urbanização foi engavetada?

Escrevo ouvindo uma seleção de artistas do selo californiano de new age music Windham Hill Records, que tive o privilégio de lançar no Brasil no inicio dos anos 90. Entre os que se destacam, um dos melhores violonistas que conheço, Michael Hedges, lamentavelmente morto em um acidente de carro em 1998. Pior, ele esteve no Brasil, tocou, e eu não soube. A divulgação nunca se mostrou tão incompetente como na passagem dele por aqui. Aqui, um dos momentos mágicos de M.H. -



Bem, eu estava falando de Itaipu, praia que frequentava desde a segunda metade dos anos 80, mas devido contínuo e voraz processo de baranganização tornou-se inviável. Não vou lá há mais um bom tempo, mas, com certeza, se o tal projeto de restauração sair do papel voltarei a freqüentar com o maior prazer. Aquela praia tem um astral especial, espacial, é depositária fiel de grandes momentos afetivos que vivi (e com certeza vou continuar vivendo), enfim, Itaipu mora nos dois lados de meu peito.


Hoje não quero escrever muito. Tenho muita coisa para falar de Itaipu. Optei pelo silêncio das lembranças. Lembranças de ontem e de amanhã.