quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Compadre Meu,



Li sua mensagem. Também estou com saudade de nossos papos, nossas convicções, nossa estrada. Afinal, somos amigos desde os 11 anos de idade. Sim, 11 anos de idade, desde o século 20 e, volta e meia, quando a garoa da nostalgia umedece meus ombros, fico pensando em nossa adolescência que como bem cantou Belchior em algum lugar do tempo, nós éramos felizes como um bando de pardais.

Pardais. Você, eu, Roni, meu irmão César, Luiz Português, e, caramba, como lembro dos passarinhos. Nós éramos apaixonados por coleiros, canários da terra, curiós, e vivíamos tocando violão, cantando e correndo atrás dos passarinhos. Hoje, maduros, queremos que eles voem, voem, voem livres e não naquelas gaiolas onde os colocávamos para que curtíssimos nosso inocente e alienado egoísmo de ter o canto dos pássaros só para nós.

Um dia você me disse que todas as suas grandes ideias nasceram na adolescência. Esse “um dia” foi recente, um ano atrás mais ou menos. Fiquei com essa frase na cabeça até constatar que comigo ocorreu o mesmo. As melhores sacadas, ideias, os mais consistentes devaneios me tomaram durante a adolescência, quando nós ouvíamos The Who, Led Zeppelin, Emerson, Lake and Palmer e “nossas” rádios Eldo Pop e Federal, ambas de rock, claro.

Por falar nisso, meu irmão, tenho ouvido direto a Rdio. Um canal com literalmente milhões de discos que podemos escolher e ouvir. Acesse www.rdio.com, preencha um cadastro rápido e passe a ouvir. De graça. No momento em que te escrevo, ouço um álbum que não conhecia. Um concerto de Keith Emerson e Greg Lake. Sensacional!

Outra coisa que mexe positivamente comigo é o fato de continuar sendo roqueiro. Mais do que uma opção musical, penso, fizemos uma opção existencial. A partir da adolescência, o rock atravessou nosso ramal ferroviário e não saiu nunca mais. Tempos atrás, no seu carro (o X Terra) você colocou um DVD do Who. Lembra? Pois é, The Who até hoje! Ou seja, o tal “fenômeno adolescente e passageiro” é eterno. Eterno sim. Com o meu irmão é a mesma coisa. Como você, pai de família, casado e tudo mais, só ouve rock no carro, só assiste rock na TV. Legal!

Eu ia escrever “Cumpadre Meu” lá em cima, homenageando a bela canção de Sá, Rodrix & Guarabira que busquei no You Tube e postei. Mas “Cumpadre” com U ia provocar confusão, por isso, comportado, escrevi compadre com O mesmo.

Bom, já vou indo. Essa mensagem não terminou. Vou continuar qualquer dia desses.