domingo, 28 de dezembro de 2014

Anote: na próxima quarta-feira, dia 31, momento mágico no rádio. E ainda, o vácuo entre Bob Dylan e nós

No link, Eduardo Bueno conta um pouco de sua madrugada com Bob Dylan nas ruas de São Paulo: clique e assista:
https://www.youtube.com/watch?v=lvYQ8MHP8Hc

                                                                  
Mauricio Valladares
 
Eduardo Bueno
                                                             Joan Baez & Bob Dylan
                                                     A mitológica caixa                                                                         


Na próxima terça-feira, dia 31, a partir do meio dia, o magistral programa RoNca RoNca, de Maurício Valladares, vai apresentar uma edição mais do que especial. Mostrará a recém-lançada e mitológica caixa com seis CDs chamada "The Basement Tapes / Bob Dylan & The Band". Gravações piratas, tornadas oficiais de Bob Dylan acompanhado pelo The Band.

O programa estará no ar para todo o planeta em www.roncaronca.com.br.
Para falar sobre o assunto, Maurício convidou o historiador Eduardo Bueno, o Peninha, autor de vários e consagrados livros de história, que contribuição (e escreveu o posfácio) na tradução da autobiografia de Dylan “Crônicas Volume I”, que saiu no Brasil em 2005.

Bueno é fã ardoroso de Bob Dylan, assistiu a mais de 70 show do bardo no Brasil e em todo o planeta, foi a casa dele nos Estados Unidos, tornou-se amigo, e numa das vezes que o músico esteve no Brasil (em 1991) resolveu vagar pelas ruas de São Paulo e Porto Alegre de madrugada observando mendigos e a fauna como um todo. Eduardo Bueno foi com ele e vai contar em detalhes tudo o que aconteceu e, óbvio, a vida de Bob Dylan no Ronca Ronca. Amanhã vou publicar aqui na Coluna uma entrevista com Maurício Valladares sobre esse mega/giga programa mais do que especial.

Por falar em Bob Dylan, tempos atrás recebi um texto com uma entrevista de Joan Baez (fará 74 anos dia 9 de janeiro) a um site de celebridades dos Estados Unidos, onde ela toca num assunto que todo mundo achava que já estava mais do que resolvido: o seu rolo com Bob Dylan (74 anos em maio). Os dois se apaixonaram e ficaram juntos entre 1963 e 1965.

Baez parece não ter varrido plenamente Bob Dylan de suas memórias. Gozado é que quando ela esteve no Brasil, em maio de 1981, e a ditadura a proibiu de cantar sob a alegação de que era subversiva, depois da entrevista coletiva no Rio ficamos conversando noite a dentro. Ela descasca bem um espanhol e lá pelas tantas falei de Bob Dylan. Ela ficou muda. E depois disse que não gostaria de tratar de assuntos mais desagradáveis do que as censuras brasileira, argentina e chilena; ela foi proibida de cantar também no Chile e Argentina.

No texto que recebi, ela diz que Bob Dylan foi dissimulado e levemente mau-caráter com ela. “Logo que nos conhecemos ele falava até em casamento, mas na semana seguinte ficava tocando violão, fumando haxixe e maconha, olhando para o teto como se eu não estivesse ali”.

O curioso é que numa das vezes em que esteve no Brasil (quando se apresentou no antigo Imperator, no Méier, anos 90 eu acho), o cronicamente mal humorado Dylan, que não queria dar entrevista, saiu do carro andando em frente ao hotel e alguém perguntou “about miss Joan Baez, what...”. . Ele parou, e fritou o quase entrevistador com o olhar. Seguiu em frente.

Um amigo meu, que não vejo desde os anos 1980, grande conhecedor de música folk dizia que o caso de Dylan e Baez foi o velho “amor de pica, onde bate fica”. Eu sempre discordei dele porque a Joan, antes de namorar Dylan, era fã do cantor e a questão aparentemente não passava por ingredientes fálicos e sim pela sua radical militância política e pela recusa de Dylan em querer se enfiar nas causas dela.

Fato é que ela não superou até hoje, apesar de inúmeras vezes ter sido vista sorrindo ao lado do músico em diversas ocasiões depois do barraco entre os dois. A reação dela na minha frente quando falei de Bob Dylan foi outra demonstração de que o cara deve ter feito uma lambança das grandes. Meu amigo me dizia, ainda, que Dylan fez de Joan tangerina, chupou e depois jogou o bagaço fora. Será? Não sei, mas que existe um tufão entre ela e ele, isso há.

Por falar em Bob Dylan e o segundo volume de suas “Crônicas”? Iam ser três livros, saiu um, muito bem traduzido pelo historiador Eduardo Bueno, que, como já disse, vai estar no programa RoNca RoNca, dia 31 (fechando 2014), quarta-feira, a partir de meio dia, em www.roncaronca.com.br. Sobre o livro, e o segundo e o terceiro volume? Nada. Nem lá fora. 

O que terá acontecido? Bueno vai falar sobre. O negócio é esperar e ouvir.