sábado, 25 de abril de 2015

Reencontrando 1982. A Cultura consegue fazer essa mágica

                                                                           

The Song is Over 


(Pete Townshend)

The song is over/It's all behind me/I should have known it/She tried to find me/Our love is over/They're all ahead now/I've got to learn it/I've got to sing out/chorus:I'll sing my song to the wide open spaces/I'll sing my heart out to the infinite sea/I'll sing my visions to the sky high mountains/I'll sing my song to the free, to the free/I'll sing my song to the wide open spaces/I'll sing my heart out to the infinite sea/I'll sing my visions to the sky high mountains/I'll sing my song to the free, to the free/When I walked in through the door/Thought it was me I was looking for/She was the first song I ever sang/But it stopped as soon as it began/Our love is over/It's all behind me/They're all ahead now/Can't hope to find me (chorus)/This song is over/I'm left with only tears/I must remember/Even if it takes a million years/The song is over/The song is over/Searchin' for a note, pure and easy/Playing so free, like a breath rippling by/                                       












   Com Alex Mariano 






    Alex Mariano
Tenho surfado ondas gigantes. Gigantes. Mas não chio porque fazem parte da alternância da vida, do caos, do Cosmos, do caos que fez-se Cosmos. 

A dor? Vem, vai, volta, parte, ronda essa montanha russa ensandecida chamada afeto em dias de tempestades, maremotos que exibem o barco à deriva, sem motor; e tudo pode acontecer com um barco à deriva, sem motor, no meio de um maremoto.

O Homem e seus Símbolos – Carl Gustav Jung, de quem já gostei. No passado.

Ontem, um amigo desde a adolescência, o Marcio, me chamou para irmos a exposição Maldita 3.0 sobre a Rádio Fluminense FM, no Espaço Cultural dos Correios, em Niterói. Eu já tinha estado lá há dias e até escrevi aqui a respeito, mas não tinha visto nem um quinto da exposição.

Voltei e mergulhei em 1982, 83, 84, 85. De cabeça, queda livre, com prazer. Vendo as fotos, os vídeos, os áudios, e, o mais importante, os meus amigos que formavam aquele incrível micro-exército de pessoas honradas, ousadas e apaixonadas que fizeram uma revolução na história do rádio. Estão todos lá.

De novo, não deu tempo de ver tudo e retornarei em breve, mas é claro que me emocionei vendo fotos históricas de meus amigos, em especial do Alex Mariano Franco, Samuel Wainer Filho e Carlos Lacombe que nos deixaram precocemente. Por isso entendi o que fez a amiga Claudia Cid se debulhar em lágrimas ontem, quando foi lá na exposição, como ela contou no Facebook. Não chorei porque ando nublado.

Os filhos de todos os amigos precisam ir lá conhecer esse planeta que seus pais construíram em plena ditadura militar (em 1982 a abertura ainda estava sendo desenhada) e porque eles entraram para a história e agora se tornaram mitos.

Agradeço publicamente ao criador curador da exposição, Alessandro ALR, por ter conseguido ir lá no fundo e colher no inconsciente coletivo tanta energia, tanta disposição, tanto amor de todos nós que, um dia, sonhamos em fazer uma boa rádio e, quis o destino (e, modéstia a parte, o nosso talento também) que se tornasse a melhor do Brasil nos anos 1980.

E isso não é pouco.