terça-feira, 30 de junho de 2015

Quadrophenia: ainda há ingressos para este domingo no Royal Albert Hall (Londres): lançamento mundial da versão sinfônica da ópera-rock de Pete Townshend (The Who)

                    
Tem uma grana, bons contatos em agências de viagem que operam para a Europa, em especial Londres? Quer assistir um dos mais importantes concertos sinfônicos do ano do célebre Royal Albert Hall? Então corra porque vai sere no próximo domingo e no site do Albert Hall há pouquíssimos ingressos à venda.

O que é, afina? Como parte das comemorações do aniversário de 50 anos do The Who, a consagrada gravadora alemã Deutsche Grammophon vai apresentar o concerto de estreia mundial da nova versão sinfônica da ópera-rock Quadrophenia, escrita por Pete Townshend e gravada por sua banda, The Who que a lançou em 1973. A uma nova versão orquestral deste marco na história do rock foi orquestrada por Rachel Fuller (atual mulher de Townshend), compositora e regente.                                                  


                                              
A nova e revolucionária versão de Quadrophenia vai ser lançada domingo, dia 5 de julho com um concerto-estreia mundial no Royal Albert Hall (Londres), com a Orquestra Filarmônica Real de Londres, com regência de Robert Ziegler e estrelado por Pete Townshend e Alfie Boe, que cantam as partes originalmente cantadas por Roger Daltrey no disco do Who.

Na década de 1960, Pete Townshend e The Who definiram o conceito de "ópera rock" com Tommy, dando um passo à frente com Quadrophenia. Concebida e escrita por Townshend, Quadrophenia acabou se tornando um ícone.

Townshend tornou públicos os seus traumas em Tommy (1969) e Quadrophenia (1973), para mim o melhor disco da história do Who. E é sobre ele que escrevo hoje. Acho que para o criador da banda, guitarrista, cantor, compositor, poeta, romancista, teatrólogo, cineasta Peter Dennis Blanford Townshend, londrino de 70 anos, é a obra-prima do Who.                                                     

   Album original, 1973
Desde 1973, ano em que Quadrophenia foi lançado, não conheço (nem ouvi falar) de um show do Who, ou de Townshend sozinho, que não tenha sido incluída uma faixa do álbum duplo. Quem me apresentou ao disco foi Zé da Gaita, no verão de 1974. Ele estava em Teresópolis, nos encontramos e descemos a serra ouvindo a fitinha aos berros na Variant de meu pai. Nunca mais Quadrophenia me deixou, nem eu a ele.

Álbum duplo conceitual, essencialmente ópera-rock, Quadrophenia foi lançado no mesmo ano de The Dark Side of The Moon, do Pink Floyd, outro álbum genial. Mas o que Townshend escreveu fez com que vários críticos, biógrafos e fãs começassem a chamar de  “álbum da minha vida” porque, de ponta a ponta, ele aborda todos os tipos, formas e conseqüências do hediondo e deformador sentimento de rejeição, tão ou mais grave e dilacerador quanto a culpa. 

Na minha adolescência a rejeição era o sentimento dominante que, eventualmente, ainda se mantém a flor da pele. Quadrophenia me trouxe alívio porque mostrou que não estou sozinho nessa ilha estranha, erma, cinzenta, cercada de relações utilitárias, mercantilistas, eventualmente sonsas, outras vezes cínicas e calhordas.                             
Em 1979 o diretor Franc Roddam lançou o filme que, evidentemente, contou com a consultoria de Pete Townshend que numa dessas pisadas na jaca que eventualmente dá, entregou a direção musical a John Entwistle, baixista do Who, que deve a delicadeza de destruir a obra original. Até flauta doce o saudoso baixista (morto de cocaína com vinho em 2002) meteu na trilha sonora que, comprei, ouvi uma única vez e derreti em seguida, transformando o vinil em cinzeiro, como já havia feito com uma série de outros discos, para mim, execráveis.

Assisti ao filme Quadrophenia em 1981, mas sem legenda. Até os ingleses tem dificuldade de entender o dialeto mod (grupo de pós-adolescentes que formavam quadrilhas de lambretas em Londres no inicio dos anos 60) mas um dia, para a minha surpresa, o filme passou no Corujão da Rede Globo, tipo três horas da madrugada de uma quinta para sexta-feira, dublado. Há coisas nesse mundo que desisti de entender, como, por exemplo, Quadrophenia na Rede Globo.

O filme é ambientado em 1963 e conta a história de um garoto chamado Jimmy Cooper (vivido pelo ator Phil Daniels) que, com a sua lambreta, vive rodando com os outros colegas mods (expressão de que vem de moderns), filhos de operários, que são molestados e perseguidos pelos rockers, de classe média, montados em potentes motocicletas.

Jimmy briga em casa e é expulso com tapas na cara, chamado de vagabundo. Vai trabalhar, se defende de uma injustiça, manda o chefe tomar no rabo e é demitido. Se apaixona por uma garota, mas durante uma viagem do bando a Brighton, litoral onde rolou de fato uma batalha campal com os rockers, dezenas de presos e feridos, ele flagra a namorada com um cara dando amassos num beco.

E as rejeições vão se acumulando, Jimmy ingerindo cada vez mais doses cavalares de anfetaminas, até perceber que o único sentido de sua vida é o bando, a ideologia mod. Bando este que tinha um líder, rebelde radical que no filme é vivido por Sting, admirado, cultuado por Jimmy Cooper. A lambreta do personagem de Sting é cromada, cheia de espelhos, enfim, “cavalo” de um verdadeiro líder.

Até que um dia, atravessando mais uma crise de angústia, Jimmy vê a lambreta do líder encostada em frente a um hotel. Pior: flagra o próprio líder anarquista trabalhando como carregador de malas (“Bell Boy”), dizendo “sim, senhor”, “sim, senhora”, recebendo gorjetas, enfim, um capacho social. Indignado, Jimmy espera Sting entrar e rouba a lambreta dele. Sem família, sem mulher, sem trabalho, sem grupo de amigos, decide se atirar de uma escarpa britânica. Com a lambreta do personagem de Sting.* Mas, há sempre um mas, Townshend deixa em aberto se Jimmy Cooper morreu pois a lambreta cai no abismo vazia.                                            
Os danos das rejeições são profundamente tratados nesse filme que a crítica mundial classificou como “drama”. Aos que perguntam se é uma autobiografia de Townshend, a resposta é não. Aos que perguntam se retrata a adolescência de mais de 80% dos fãs do Who, com certeza a resposta é sim. Eu que o diga.