quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Caro Adrian Belew

                                                                         
    Com Frank Zappa
                         Com David Bowie
    Com o King Crimson
Arrancando novos sons
Você não me conhece, mas sou seu fã desde os anos 70. Escrevo para dizer que depois da ver a foto daquela criança morta numa praia da Turquia ontem, imagem que abalou o mundo, fiquei chocado, triste, arrasado, pensando nas fronteiras (existem?) da desumanidade, egoísmo, injustiça e tudo mais; sua música, plena, absoluta, genial, me confortou.

Frank Zappa falava muito de você, em especial de sua inventividade nos tempos em que gravou com ele, mas quem me chamou atenção para o seu trabalho foi o Talking Heads, anos 1980. Lembro que eu não ligava o som para ouvir o Talking Heads e sim ouvir “as guitarras do Belew”, que hora parecem guitarras, hora teclados, hora elefantes, trigres, rinocerontes já que você é um mago dos efeitos especiais.

Mas na noite desta quarta-feira, fiz uma seleção de seus quase 20 discos-solo (ouço todos no Spotify), mais os com o King Crimson, grupo que está em terceiro lugar em minha escala de preferências, fora os Beatles. A saber: The Who, Led Zeppelin, King Crimson. Hour concours, The Beatles. Fiz a seleção, gravei em um CD e pus no carro, o lugar onde mais gosto de ouvir música porque fecho os vidros e libero todos os volumes, graves, agudos, distorções, gritos. É como se temporariamente eu deixasse a órbita da Terra e fosse pairar em algum lugar entre o Rio de Janeiro e a Estação Espacial Internacional.

Belew, foi demais. Rodei uma hora e meia mais ou menos, chuva fina, perto da madrugada, ouvindo seus trabalhos e revisitando tudo o que você fez com e pelo King Crimson. Digo fez (e não faz) porque fiquei sabendo que o dono do grupo, o genial Robert Fripp, simplesmente não quis a sua volta. Caramba! Eu já estava pronto para assistir ao grupo na Argentina por sua causa. Afinal, não fosse você, o K.C. não teria voltado por cima em 1981 com a magistral trilogia dos álbuns “Discipline”, Beat” e “Three Of a Perfect Pair”, onde você é autor da maioria das músicas, canta todas, faz a guitarra principal, enfim, você foi o King Crimson. Talvez por isso, a sua exclusão.

Escrevo para agradecer. A sua música, ouvida a contundentes dezenas de decibéis na noite desta quarta-feira, me trouxe alívio. Tenho dois programas na Rádio Cult FM (www.radiocultfm.com) que como mora na internet você vai poder ouvir em qualquer lugar do mundo. Os programas: Expresso da Madrugada, de domingo a domingo, meia noite as seis no horário do Rio de Janeiro (isso mesmo, seis horas!) e o Cafofo do LAM, domingos 11 da noite. Estou preparando um super módulo de abertura no Expresso com você e o King Crimson.

Te aguardo com The Crimson Projekct por aqui, ou na Argentina onde você é aclamado. De Fato, Belew, poucos te conhecem no Brasil.

Para os leitores,

Entrevista de Adrian Belew ao site Ultimate Classic Rock:

Adrian Belew diz que não foi convidado para fazer parte do Reunited King Crimson


Você está no novo King Crimson?
Não. Aos 32 anos eu já não sou um King Crimson. Robert (Fripp) 

informou-me em um email que ele estava começando uma versão de
sete peças da banda. Ele disse que eu não seria ideal para o que a

banda está fazendo.

Então, como você se sente?

R - Feliz com o que eu tenho que ser feliz com ... o que é bastante.

Belew disse que ele está se movendo para a frente com projetos que incluem 

uma turnê pela América do Sul com seu power trio e uma outra com The 

Crimson Projekct que executa música King Crimson. "A vida é grande", 

escreveu ele.

Tem razão. A alma do King Crimson está no The Crimson Projekct:

Adrian Belew: guitarras, vocai

Tony Levin: stick, baixo, backing vocals 

Pat Mastelotto: baterias acústica e eletrônica e percussão

Markus Reuter: guitarras digitais 

Tobias Ralph: bateria e percussão 

Julie Slick: baixo 

Adrian Belew foi um dos integrandes mais populares da história do King 

Crimson. Robert Fripp, que fundou o grupo em 1969, continua a ser o único 

membro original.