domingo, 20 de dezembro de 2015

Dia 32 de dezembro

Segunda-feira anormal como outra qualquer.

Entra no ônibus pensando no nada ignorando o falatório em volta. Para, anda, para, anda.

De propósito desce fora ponto, entra no bar “Do Nunca”. Bebe leite morno, não paga e sai. Reto. Reto. Reto.

No trabalho, muitas horas extras. 31 de dezembro. Projetos, softwares, alguns risos aflitos das secretárias tramando o reveillon com amigas no celular.

Sete da noite. Só na corporação. Mesas desarrumadas, uma ou outra cadeira fora do lugar, ar condicionado central no máximo. Só na corporação. Vidros duplos a prova de som, potentes computadores de última geração processando projetos, inventos, planilhas, manuais, procedimentos.

Nove da noite. Pega o telefone. Não há para quem ligar. Desliga. Senta em frente ao computador principal. Procedimento previsto para as nove da noite ali, três da tarde lá. Lá, Los Angeles, L.A. 

Enter. OK.

Onze da noite. Duplo procedimento. Longo. Complicado. Cinquenta e sete minutos. 

Enter. OK.

Onze e cinquenta e oito da noite. Silêncio. Os dois seguranças na sexta ronda de rotina entram no salão. Desejam feliz ano novo.

Meia noite e cinco. Deixa o prédio e caminha entre o estrondo e as luzes dos fogos de artifício. Pessoas gritam nas janelas, celebrando o que acham que precisam celebrar.

Meia noite e vinte e três. Táxi.

Uma e doze da madrugada. Desce do táxi.

Uma e vinte da madrugada. Outro táxi.

Vinte horas e quinze minutos. Entra na casa. Velha conhecida. Bate o portão com as filhas gêmeas penduradas no pescoço.


Enter. OK.