domingo, 10 de janeiro de 2016

Chega de sustentar a indústria do carnaval com dinheiro público ;quem deveria pagar são as cervejarias e a bilionária indústria do turismo

Alguns governos, Brasil afora, estão cancelando a dinheirama do carnaval dizendo que vão desviar para a saúde. Sei lá, o quadro político anda tão sinistro que não dá para acreditar. Me cheira a marketing, propaganda, oportunismo, mas até que seria uma boa.

Não sei quanto o Rio de Janeiro gasta com o carnaval com dinheiro público, mas com certeza é uma baba. Por que? Para que? Em nome de quem? Trilhardárias escolas de samba, blocos, bailes, mais esquemas de segurança, trânsito, urgências médicas, energia elétrica, tudo isso chupa uma grana preta, que nós pagamos.

O carnaval do Rio movimenta absurdamente o turismo, mas isso não justifica que o Estado tenha que bancar. Quem deveria (e deve) pagar, investir, é a indústria do turismo e setores periféricos como fábrica de cervejas (que lucram milhões), empresas aéreas, hotéis, agências, empresas aéreas, etc etc etc. Eles são os principais interessados porque na quarta-feira de cinzas embolsam caminhões de dólares.

Se a cervejaria X tem grana para bancar camarote no Sambódromo, com cachês de celebridades incluídos, pode perfeitamente pagar uma boa parte. Bem comparando, o governo da Califórnia não dá um centavo para a indústria do cinema e muito menos o de Nevada bota grana nos cassinos de Las Vegas.

Os blocos de rua também dão uma dentada no bolo de dinheiro público e até em desfile de fantasias, concursos de marchinhas e bailes privados há quem mame nas tetas do Estado já que o carnaval, há tempos, virou mesmo um bordel de dinheiro. Está na hora de fechar a torneira. Os “carnavalescos” que se virem para bancar a sua maravilhosa vagabundagem.

Chega!