quinta-feira, 31 de março de 2016

Dirigir no nevoeiro

Dirigir no nevoeiro é uma arte. Enxergamos pouco à frente, quase nada atrás. Há normas? Há. Normas relativas. Não devemos usar faróis altos que refletem na nuvem e erguem uma parede de luz agravando a situação. Recomenda-se faróis baixos.

Velocidade reduzida, mas não muito. Parar, nem pensar. Risco de colisão na traseira. A ordem é devagar e sempre, como numa nuvem sem fim. Mas o fim existe. Podemos encontrar o sol, podemos encontrar a chuva.

Quando? Ninguém sabe. Ninguém pode informar quanto tempo dura a passagem de um nevoeiro.

Respirar fundo e seguir em frente, sem parar, apesar da péssima visibilidad, do trânsito pesado descendo no sentido contrário, a desorientação causada pelas luzes dos faróis. Não podemos ultrapassar ninguém. O risco é grande.

Estrada com nevoeiro lembra alguns momentos a vida. Individual e coletiva. Seguir em frente é fundamental apesar do breu, da umidade, do mar cinzento de nuvens. Com a certeza de que mesmo longo, nenhum nevoeiro é infinito. 

Nenhum.