domingo, 3 de abril de 2016

(...) Desqualificam as investigações. Acusam a imprensa de mentir, passando por cima do fato de que já foram localizados e bloqueados milhões de dólares no exterior, para não falar dos milhões de reais já recuperados. Repetem que impeachment é golpe — por mais que ministros e ex-ministros do STF já tenham negado essa interpretação, desde que os preceitos constitucionais sejam respeitados." Ana Maria Machado


Fundamental ler o brilhante artigo de Ana Maria Machado no Globo. Ana Maria é uma das mais brilhantes, lúcidas e geniais cabeças deste país e o seu texto resume, muito bem, a definição de bom senso. Vale muitíssimo a pena clicar aqui e ler: http://oglobo.globo.com/opiniao/para-ingles-ver-19006175

Nem de longe o Brasil respira o clima de uma crise institucional. Executivo, Legislativo e Judiciário funcionam plenamente, respeitando as fronteiras de sua independência. As forças armadas estão nos quartéis, mas o país está sim, largado abandonado chutado.

É muito mais fácil se reunir diariamente com plateias arrivistas, gritar que não vai ter golpe e ouvir, em orgasmo, os aplausos dos oportunistas regiamente pagos. É mais fácil inflar o próprio ego do que trabalhar, governar, agir para que a nação saia do brejo para onde foi empurrada justamente pela musa do não vai ter golpe.

Golpe não há. O que há é um calote, um engodo, turbinado por mais de 100 mil pessoas agarradas nas tetas do Estado a bordo de seus cargos comissionados, que dispensam concurso público. Não há mérito aí. O que há é puxa saquismo mesmo.

O que há é um país parado, desempregado, inflacionado, atirado a uma das mais cruéis recessões de sua história. Uma situação que se soma ao maior escândalo de corrupção de todos os tempos.

O resto é tentativa de manipulação. Vil tentativa.