terça-feira, 21 de junho de 2016

Atentados terroristas nas Olimpíadas


                                                                                A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) está informada de que há grave risco de atentados nas Olimpíadas do Rio. Uma reportagem na Veja desta semana mostra, inclusive, alguns nomes (e fotos) de brasileiros que trabalham para o estado Islâmico e que já teriam sido escalados para as “missões”.

Há dois anos um diplomata israelense chamou o Brasil de “anão diplomático”. Com razão. Nos últimos anos, nossa diplomacia foi transformada em marionete bolivariana, atirada na lixeira das prioridades dos governos. Um crime já que, em nossa história, a diplomacia brasileira sempre se destacou pela competência, equilíbrio, eficiência, talento. Talvez por isso tenha sido punida.

O argumento do “anão diplomático” pode dar a sensação de que o Brasil foi chutado dos radares internacionais. Afinal, está mergulhado numa brutal recessão afastando cada vez mais empresas estrangeiras.

Por exemplo: este ano, o Brasil só terá o lançamento de um único modelo novo de automóvel, o Nissan Kicks. Mesmo porque a montadora japonesa já estava comprometida com a Olimpíada e prometeu, anos atrás, lançar um carro revolucionário nos jogos. Fiat, Ford, Toyota, Honda, enfim, todas as outras adiaram lançamentos, investimentos, enfim, chutaram para o futuro tudo o que previam de investimentos para o Brasil. Em outros segmentos da economia, a mesma coisa.

Pela lógica nem os terroristas do Estado Islâmico, Al Qaeda, Taliban e similares estariam interessados num anão diplomático. Os defensores dessa tese esquecem, no entanto, que centenas de atletas de países como Israel, Estados Unidos, Inglaterra, França, vão estar aqui no Rio. E decididamente, atentados envolvendo esses ou qualquer outro país em solo brasileiro podem estar mobilizando as forças do mal.

A entrada de imigrantes no Brasil tem sido intensa nos últimos anos. Gente do Haiti, Sudão, Líbia. Há quem afirme que no meio desses grupos tenham se infiltrado terroristas. Faz sentido? Faz. Mas não há uma informação objetiva, consolidada, a respeito.

Por enquanto.