sexta-feira, 22 de julho de 2016

Livros da Semana - 7

Verifique se as edições em papel tem versão digital, compatível com Kindle (ou similares), smartphone ou tablet. Pode sair até 50% mais barato. 

Livrarias pesquisadas:

Amazon – www.amazon.com.br
Travessa – www.travessa.com.br
Estante Virtual - www.estantevirtual.com.br
Saraiva - www.saraiva.com.br
                                                          
Como a Música ficou Grátis

Stephen Witt

272 páginas

Uma trama impressionante envolvendo música, crime, dinheiro e obsessão, cujos protagonistas são magnatas, pesquisadores respeitados, criminosos e adolescentes nerds fissurados em tecnologia.

Em "Como a música ficou grátis", o jornalista Stephen Witt investiga a fundo a história secreta da pirataria de músicas na internet, partindo dos engenheiros alemães criadores do mp3, passando por uma fábrica de CDs na Carolina do Norte da qual um funcionário chamado Dell Glover vazou cerca de dois mil álbuns ao longo de uma década e também pelo centro de Manhattan, onde o executivo Doug Morris dominou o mercado mundial do rap, e depois se aprofundando pelos redutos mais obscuros da web até um site ilegal quatro vezes maior que a loja do iTunes.

Por meio desses personagens, o autor constrói uma narrativa empolgante, remontando ao momento em que a vida comum se imbricou irreparavelmente com o mundo virtual, quando de repente todas as músicas já gravadas foram disponibilizadas de graça na internet.

Seguindo a tradição de escritores como Michael Lewis, Witt nos apresenta figuras inesquecíveis - inventores, executivos da indústria fonográfica, operários e ladrões - que transformaram toda uma forma de arte e revela o submundo dos piratas de mídias que revolucionaram o universo digital. Uma história nunca antes contada de ganância, astúcia, genialidade e fraude.

Como a música ficou grátis não é apenas um livro sobre a indústria fonográfica - é uma leitura obrigatória sobre a construção da própria internet.

Almanaque da Rádio Nacional

Ronaldo Conde Aguiar

192 páginas

Ao abrir as páginas do 'Almanaque da Rádio Nacional' e ouvir o CD inédito, com 33 faixas (aberturas, trechos e vinhetas dos programas mais memoráveis), o leitor-ouvinte vai se transportar àquela época fascinante e se maravilhar com a força criativa da Era do Rádio.

Em uma época em que era mais doce ser brasileiro, os acordes do prefixo da PRE-8 convocavam senhoras e meninos, funcionários e cozinheiras. Em torno dos pesados aparelhos à válvula, famílias, vizinhos e amigos sofriam com as paixões de O direito de nascer, gargalhavam com os inquilinos do Balança mas não cai, atentavam para o plantão do Repórter Esso.

Os potentes quilowatts emitidos pela Rádio Nacional foram os primeiros a abraçar os brasileiros em um único canal de comunicação. Se para o governo a Rádio cobriria todo o território brasileiro e seria o instrumento perfeito de coesão nacional, ela foi para a sociedade o palco privilegiado da formação da cultura popular brasileira.

A Rádio Nacional consagrou grandes ídolos, como Luís Gonzaga, Angela Maria, Francisco Alves, Orlando Silva. E que dizer dos grandes comunicadores, speakers, radioatores e crooners? Paulo Gracindo, Almirante, a PRK-30, Candinha, Emilinha, Marlene, Dalva, Jorge Goulart, Jararaca e Ratinho. Toda uma constelação chegava aos lares pelo milagre das ondas curtas.

Capitão América – a morte do sonho

Steve Epting

274 páginas

Ao longo de quase sete décadas, Steve Rogers lutou para defender os mais elevados ideais de seu país, nem que para isso tivesse de ir contra o próprio governo.

Imbuído desse sentimento, ele se lançou numa guerra inglória contra outros heróis - e perdeu. Uma derrota que lhe custou a vida, pondo um fim à incessante batalha do homem que era a personificação do chamado 'sonho americano'.

Neste terceiro volume de 'Marvel Deluxe- Capitão América', o roteirista e os ilustradores pretendem revelar a trama que privou o mundo de um de seus considerados maiores defensores. 

Luz e Sombra - Conversas Com Jimmy Page

Brad Tolinski
288 páginas

Jimmy Page foi líder, mentor, guitarrista e produtor da banda Led Zeppelin, que chegou ao fim em 1980, após a morte do baterista John Bonham. O autor gravou mais de 50 horas de entrevistas com o músico ao longo de 15 anos. 'Luz e sombra' busca compreender toda a carreira do guitarrista - o início como músico de estúdio, quando trabalhou com artistas que vão de Tom Jones, Shirley Bassey e Burt Bacharach a Kinks, The Who e Eric Clapton; suas relações com os outros três integrantes do Led Zeppelin - Robert Plant, John Bonham e John Paul Jones; o período em que sua atuação como guitarrista, compositor e produtor dominou o cenário musical dos anos 1970, e como sua genialidade continuou a ressoar em projetos posteriores.
Ao comentar as mais conhecidas músicas da banda, Page reflete sobre os momentos marcantes de sua vida e carreira, entre eles seu fascínio pelo ocultismo, o encontro com Elvis Presley e a realização de 'Led Zeppelin IV', sobre a qual oferece informações completas de bastidores. O livro também registra conversas entre Page e outros guitarristas, como o amigo de infância Jeff Beck e Jack White.
No documentário A todo volume, Jimmy fala brevemente o que a expressão 'luz e sombra' significa para ele: 'A dinâmica... do sussurro ao trovão; o som que atrai, que intoxica. O que mais me fascina na guitarra é que ninguém toca do mesmo jeito. Cada um tem o seu modo, e a personalidade sempre transparece'. Considere este livro uma expansão dessas ideias básicas e uma rara oportunidade de ouvir um mestre dos artistas explicar sua música. 
Antologia da Poesia Erótica Brasileira

Eliane Robert Moraes

504 páginas

Esta "Antologia da Poesia Erótica Brasileira" vem apresentar ao leitor as principais figuras de pensamento e formas de criação que compõem nossa lírica erótica desde o século XVII até os dias de hoje.
Figuram nela poetas de épocas, estéticas e contextos bastante diversos - de Gregório de Matos a Hilda Hilst, de Gonçalves Dias a Carlos Drummond de Andrade, de Álvares de Azevedo a Ana Cristina César, de Olavo Bilac a Ferreira Gullar, entre muitos outros - cujos versos se alternam entre a sensualidade meramente alusiva e a obscenidade mais provocante.

Lado a lado, eles se reúnem aqui para dar voz a um excesso que é, antes de tudo, o da imaginação.