segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Caros leitores, valeu mesmo! Rendição jamais!

Emocionado, agradeço aos leitores que me deram a maior força quando desabafei no artigo “Destrepa Tudo” que publiquei aqui na Coluna domingo último (leia abaixo deste). Fiquem tranquilos pois não existe hipótese de rendição da Coluna diante desse gado barulhento, mas não tão grande assim; protozoários conhecidos como “politicamente corretos”.

Vamos lá. O que vocês acham de uma pessoa ser admiradora do maior traficante do México (e do mundo), Joaquín Archivaldo Guzmán Loera, vulgo El Chapo*? Caso, por exemplo, do ator e diretor Sean Penn que em janeiro de 2016 o entrevistou (historinha mal contada pra cacete) e, acidentalmente (???), acabou entregando o sicário e está todo enrolado até hoje. Admirar El Chapo é o que? Desvio de caráter? Mau caratismo? Ou socialismo moreno? E o caso dos que defendem o assalto ao Estado brasileiro, roubalheira, endeusam Nicolás Maduro e similares? E aqueles que acham que o fornecimento pelas milícias e traficantes de “gatonet”, botijão de gás”, internet pirata, etc, tudo roubado, é “democrático porque dá acesso aos mais pobres”?

A luta é dura mas não abro mão, consciente de que ninguém é dono da verdade absoluta. Se é que ela existe. Ao mesmo tempo, sei que a ignorância é um direito universal, bem como a boçalidade e o banditismo. Respeito bandido que se assume bandido, mas não me convidem para aplaudir quem bebe sopa de cocaína tentando nos convencer que é canja de galinha.

Aí é patifaria mesmo.


*Vale a pena assistir a série e também ao longa-metragem, ambos na Netflix.